terça-feira, 6 de novembro de 2018

#14 Organização das refeições da semana (Meal Prep da semana)




Sou uma pessoa de rotinas. E a minha rotina de preparar e organizar as refeições da semana é fundamental para a minha semana correr bem. Quando, por um ou outro motivo não o faço, noto imenso a falta dessa organização no meu  dia-a-dia. 
Claro que compreendo quem não gosta de se organizar assim. Cada pessoa tem de encontrar o método que melhor se adapta a si e à sua família. Descobri que esta resulta muito bem para mim e que com o que vou partilhando ajudo também outros. Mesmo que não façam assim, mesmo que adaptem a partir do que partilho, ou que só tirem ideias das ementas da semana, e se inspirem para refeições diferentes.
De qualquer maneira, e como os pedidos são sempre muitos, aqui fica mais uma semana de “meal prep”.

Ementa da Semana:

2ª feira: filetes de pescada + legumes assados + salada de espinafres e rúcula
3ª feira: Frango Tandori + legumes assados + arroz + salada
4ª feira: Bacalhau assado + batata doce assada + couve salteada
5ª feira: Cachaço de Porco assado + beringelas panadas + puré de abóbora + salada ou puré de espinafres
6ª feira: Feijão Azuki com ovos escalfados e arroz

(De véspera, domingo, deixar a descongelar os filetes de pescada para o jantar de segunda, o frango para cozinhar para o jantar de terça, o bacalhau para cozinhar para o jantar de quarta, a carne de porco para temperar para o jantar de quinta, e o feijão azuki já a demolhar para cozer na segunda feira)

OUTRA NOTA IMPORTANTE - Para quem pergunta se a carne não se estraga tantos dias temperada no frigorífico. Em relação à carne de aves, que se estraga mais facilmente não aconselho mais de 2 dias no frigorífico temperada. Portanto se a prepararem ao domingo, deve fazer parte da ementa semanal entre segunda e terça. Quanto à carne de porco, a história é outra. Aguenta largos dias temperada no frigorífico. Se duvidam perguntem aos avós ou façam uma pesquisa acerca de “vinha de alhos” e “carne de alguidar” e até a carne para chouriças, onde a carne de porco estava longos dias temperada e até fora do frigorífico. É uma técnica de conservação. E portanto não, não se estraga. (Mas se não o quiserem fazer também não tem mal nenhum, que cada um sabe de si e eu estou só a dar exemplos do que faço cá em casa e não a obrigar ninguém!!)

- Retirei a água de demolhar o feijão azuki, coloquei água nova (e alga kombu para melhorar a digerabilidade do feijão) e levei a cozer com sal até o feijão estar macio. Depois escorri, descartei a alga e coloquei numa caixa de vidro hermética no frigorífico.

  • Temperei a os filetes de pescada com um fio de azeite, alho picado e sal e pimenta e sumo de limão para depois passar por farinha e ovo e fazer à hora de jantar. Guarde no frigorífico numa caixa hermética.

  • Temperei o cachaço de porco que guardei depois num recipiente próprio no frigorífico onde fica até quinta feira, quando depois levo a assar para o jantar.

  • Cozinhei o frango tandori (receita em breve no blogue!) sem juntar o iogurte que apenas faço na terça feira, ao aquecer. 

  • Cortei uma abóbora butternut ao meio, retirei as sementes e coloquei no tabuleiro do forno juntamente com algumas batatas doce e levei a assar. Depois de assadas retirei a casca à abóbora e coloquei numa caixa de vidro hermética no frigorífico. As batatas guardei com casca, noutra caixa hermética, também no frigorífico. Para fazer o puré de abóbora para o jantar de quinta feira e as batatas para acompanhamento do bacalhau de quarta feira.

  • Preparei e temperei  legumes (pastinacas, alho francês. cenoura, cebola roxa e pimento) que coloquei a assar. Depois de assados acondicionei no frigorífico numa caixa hermética com tampa. Servem para o jantar de segunda e terça.

  • Coloquei as postas de bacalhau num pirex, temperei com alho, pimenta, louro e azeite e levei a assar. Depois de assado guardei numa caixa hermética no frigorífico. É só depois desfiar para o jantar de quarta feira.

  • Lavei e sequei bem as folhas de espinafres baby e de rúcula e aguardei numa caixa ventsmart da tupperware. Está assim pronta para colocar na saladeira e temperar, quando for necessário.

  • Cortei a beringela em fatias, temperei de sal e guardei numa caixa hermética no frigorífico. Depois é só panar e levar ao forno na quinta ao jantar, para acompanhar a carne assada.

  • Descasquei legumes para a sopa e coloquei a fazer na bimby, enquanto fazia outras coisas, Quando ficou pronta triturei, e guardei em doses individuais no frigorífico.

  • Lavei os tomate cereja e sequei bem num pano de cozinha. Guardei numa caixa hermética onde estão prontos a consumir.

  • Cortei a couve em juliana fina, lavei e sequei bem num pano de cozinha e guardei numa caixa hermética ventsmart da tupperware para o acompanhamento de quinta feira.


Segunda feira antes da hora de jantar, basta panar e fritar os filetes, aquecer os legumes e temperar a salada.

Terça feira antes da hora de jantar basta aquecer o frango que já está cozinhado e juntar o iogurte. Depois é apenas fazer arroz, aquecer os legumes. Colocar a salada na saladeira e temperar.

Quarta feira antes da hora de jantar aquecer o bacalhau e desfiar. Aquecer as batatas, cortar em pedaços e juntar ao bacalhau. Regar com o azeite de assar o bacalhau e  saltear a couve para acompanhar.

Quinta feira assar o cachaço de porco lentamente. Panar as beringelas e colocar no forno a cozinhar. Fazer o puré de abóbora com a abóbora já assada. Temperar a salada ou fazer rapidamente um puré de espinafres (com espinafres que tenho sempre congelados)

Sexta feira. Fazer um refogado e juntar o feijão e os ovos para escalfar. Servir com o arroz (que é só aquecer porque vou faço a mais na terça feira!).


Boas meal preps para todos!

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

2 meses para o Natal



Daqui a dois meses estamos no dia de Natal. Parece que ainda falta muito tempo, porque continua muito calor, o pessoal ainda anda de sandálias e manga curta, mas o Natal está mesmo ao virar da esquina.
Aqui em casa tem havido alguns poucos preparativos.
Já vos tinha dito que tenho a maioria das prendas dos sobrinhos - os a sério e os de coração - e dos afilhados, compradas. Já fiz e “embrulhei” as marmeladas e a compota de figo e de tomate. Se arranjar uma abóbora ainda faço doce de abóbora, se não fica assim mesmo.
Este ano estou a pensar repensar um poucos os meus cabazes. Para já a ideia é alargar a oferta dos cabazes também as irmãos e cunhados - numa prenda para o casal- mas misturando alguns artigos caseiros com outros de compra. Ainda é só uma ideia. Porque, como sabem, a ideia de andar a correr de loja em loja não faz de todo o meu ideal de natal.
Claro que os cabazes têm de ter os meus clássicos: compotas e marmeladas, bolachinhas - ainda ando a juntar ideias simples - caramelo salgado e o brittle de frutos amêndoa ou amendoim.
Provavelmente fazer um “Bark” de chocolate, ou a versão daim que já não faço há anos, nutella caseira, e eventualmente testar uma receita de trufas.
Vou simplificar mais. Sei quem realmente aprecia as coisas que eu faço, e as suas preferência. Portanto prefiro oferecer uma fornada de bolachas a um amigo querido do que um mini cabaz com coisas que sei que não apreciam tanto. E prefiro complementar com algo que posso comprar, seja uma caixinha de chá, ou umas chávenas giras. 
Mais uma vez ando a amadurecer ideias que em breve vos falarei.

Outra coisa que vamos fazer este ano. Tal como vos tinha falado no ano passado, voltamos a ir acumulando o saldo dos talões do continente e do desconto no gasóleo no cartão continente. O ano passado o saldo acumulado durante o ano serviu para na “Black Friday” aproveitar para comprar , na Zippy, uma cadeira nova do carro para o Zé Maria (porque íamos precisar de outra porque a Benedita estava a chegar). Particamente todo o saldo serviu para pagar a cadeira e ainda tivemos de retorno um talão com 25% do valor do total da cadeira, que aproveitei para comprar prendas para as sobrinhas.
Este ano voltamos a fazer o mesmo. Para nós é uma poupança que quase não se vê. (Eu recebo essencialmente talões de 5 euros em 20 euros de compras!) Vai lá ficando e nunca fui descontando. Desde o início do ano até agora tem um valor simpático. Vamos pela primeira vez aproveitar para ir aos 50% de desconto em brinquedos do Continente (que é no fim de semana de 3 e 4 de Novembro) e comprar o que os miúdos andam a pedir ao pai natal, bem como as restantes prendas que faltam aos miúdos. Não espero gastar mais do que o saldo que tenho no cartão e ainda ficar com metade do valor dos 50% para depois comprar outras coisa, como, por exemplo coisas para a ceia de natal, ou eventualmente roupa para os miúdos.
(Não tenho um valor enorme, mas também não oferecemos muitos presentes aos miúdos. O “Pai Natal” só oferecer 1 ou 2 presentes a cada menino. E depois os avós, tios e primos encarregam-se de oferecer mais coisas. Só oferecemos mesmo a prenda do Pai Natal, e eles só escolhem 1 coisa que querem muito, e que seja exequível. A mãe e o pai oferecem roupa ou livros. Portanto também não precisamos de um saldo enorme para os briquedos - só espero é que haja o que eles querem.)

O ano passado achei que tinha sido uma “poupança” simpática, quase sem dar conta, para um item que tínhamos mesmo de comprar. E este ano decidi fazer esta mini poupança para o Natal.... Depois vos conto.

Ainda em relação ao Natal, e porque a nossa tradição sempre foi fazer a árvore dia 1 de Dezembro, este ano vamos novamente antecipar... Primeiro porque não vou estar em casa a dia 1 de Dezembro, e gostamos de envolver os miúdos na tarefa de decorar a casa. Depois porque sabemos que assim que entrarmos em modo natal - já depois do 1 de Novembro - os miúdos vão estar sempre a pedir, e finalmente e como diz uma amiga minha, “é muito trabalho para a casa só estar decorada 1 mês”, portanto estou a pensar tratar das decorações ainda antes do final de Novembro.

Do que me falta: passar na Tiger para começar a comprar as primeiras coisas de natal que acho que já estão a receber. Reunir tudo o que tenho em casa porque este ano vou tentar reutilizar ainda mais coisas e dar uma nova vida a tudo o que tenho guardado. (Em principio este ano vou forrar caixas de papel para formar os cabazes, porque reparei que tenho imensas guardadas....) E fazer a lista de tudo, que ainda não fiz.

Vou dando notícias acerca do Natal.

E por aí, já há novidades?

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Organização de Brinquedos


Os últimos fins de semana aqui por casa têm sido para finalmente dar uma volta aos brinquedos dos miúdos e ver se finalmente conseguimos organizar o caos que estava instalado. E não foi tarefa fácil.

Temos no sotão uma divisão que, além de ser o “escritório” do Miguel, é também o quarto dos brinquedos. Só que não tinha mais do que os legos e os playmobil em constante caos. Tinhamos também imensos brinquedos na sala, em arrumados em cestos, mas desde que em Setembro o António entrou na escola, deixamos de sentir necessidade de ter os brinquedos ali, porque o  António já não passa o dia em casa para brincar com eles.
Assim sendo a tarefa começou por levar todos os brinquedos para o sotão. A excepção foi feita para a “pista” (um tapete com uma estrada) e os carrinhos pequenos que continuam num cesto na sala, e os lego Duplo que eles ainda gostam de montar e que não são perigosos para a Benedita que anda cada vez mais a correr a casa toda e a colocar tudo na boca. Tudo o resto foi para o sotão.

No sotão, no quarto dos breinquedos fizemos a separação: tudo o que estava velho, e estragado foi para o lixo, e os restantes foram separados e divididos por caixas de arrumação transparentes. Aproveitamos uma promoção do Continente nessas caixas de arrumação - até porque já cá tinhamos umas em casa e já tinhamos percebido que cabiam na perfeição numa velhinhas estante de cubos do ikea.
Dividimos os brinquedos por categorias  - playmobil, brinquedos de madeira, jogos, legos, brinquedos musicais, carrinhos junior, .... e deixamos os legos de fora porque lhes tínhamos prometido montar uma cidade da lego.

A velhinha estante do ikea estava cheia de coisas nossas, mas decidimos também reorganizar o espaço. Mudamos a disposição que tínhamos e o escritório passou para o lado contrário de onde estava, deixando a estante do ikea do lado dos miúdos. Esvaziamos então das nossas coisas - que passamos para o outro lado, num armário embutido que entretanto também reorganizamos, e deixamos a estante ikea - principalmente nas prateleiras ao alcance deles - com as tais caixas onde todos os brinquedos ficaram separados.





Montamos também uma tenda que já esteve no quarto da Benedita, mas que desde que ela foi dormir para o quarto dela, deixou de ser possível manter lá, e montamos também um cantinho para eles fazerem os desenhos e as brincadeiras deles, e onde deixei papel e lápis de cor à disposição, e onde coloquei um mapa da Europa que comprei entretanto na Flying Tiger.

Tirando as caixas de arrumação e o mapa, usamos tudo o que já tinhamos em casa. O espaço parece-nos muito mais funcional. Como o chão é cerâmico (e feio e frio - pode ser que daqui a uns tempos se trate dele!) temos um tapete enorme a cobrir o chão, e onde eles se sentam a brincar. Mais uma vez o tapete é antigo e estava na nossa casa antiga. 
Há espaço para brincar, todos os brinquedos à disposição em caixas para eles, e nuns cestos para ela. Uma “cidade” da lego montada, e um cantinho para desenhos, pinturas e outras actividades semelhantes.

Quanto à arrumação. Temos tentado incutir o espírito “brincar, desarrumar e depois arrumar”, que não funciona muito mal, porque é também o que trazem da escola. Deixamos brincar à vontade, mas fazemos questão de que tudo se arrume no final, com a nossa ajuda.

Só uma nota. Neste espaço não há livros, porque os livros estão todos no quarto deles. Adoram as histórias todas as noites e, muitas vezes quando não querem dormir logo, principalmente o Zé Maria, gosta de ficar a ver os livros. Não fazia sentido tirar de lá os livros.

Para já, tem-nos parecido bastante funcional e conseguimos perceber os brinquedos que eles têm, com o que brincam e como organizam as brincadeiras.


Alguma dica infalível que me esteja a falhar?

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Mais umas dicas e sugestões para organizar a aniversários, festas e jantares



Não tinha previsto escrever sobre a organização e planeamento do jantar de aniversário do António. Mas vocês pediram com tanto amor e carinho que eu não podia deixar de partilhar por aqui algumas respostas a questões que me colocaram, bem como algumas outras sugestões e dicas.
Mais uma vez tivemos um aniversário num dia se semana. A logística é sempre a mesma que vos deixei neste post - https://economiacadecasa.blogspot.com/2018/09/dicas-para-organizar-um-jantar-de.html, mas com algumas variantes.

1- Lugares Sentados vs Comer de pé (e o meu acrescento de mesa)

É uma das questões fundamentais. Nem todos temos espaço para sentar muitas pessoas à mesa, ou sequer uma mesa grande o suficiente. E muito me têm perguntado sobre a minha mesa.  Ora a minha mesa da sala de jantar leva, no máximo e com boa vontade 8 pessoas. Mas eu tenho um acrescento  (feito num carpinteiro, mas que uma pessoa habilidosa também consegue) que consiste em duas tábua ligadas com dobradiças e 3 cavaletes exatamente com a mesma largura e altura da minha mesa de jantar. Como tenho uma sala com comprimento suficiente, quando junto o acrescento à mesa, sentamos um máximo de 22/24 pessoas. Efetivamente só usamos a mesa da sala de jantar quando somos muitos. Porque até 10 pessoas cabemos todos na mesa de jantar no open space da cozinha. Se não te^m muito espaço e têm muitas pessoas a melhor opção será sempre um jantar volante  (e é assim que faço as festas no jardim!). 

2 - Louça Vs Descartáveis

Nem sequer vou falar da questão ecológica, mas para mim (opinião pessoas!!!!) está completamente fora de questão usar louça, talheres ou copos descartáveis. Não gosto. Partem com facilidade, não é pratico comer num prato descartável que se dobra com o peso da comida e é feio, muito feio. Se é prático? Talvez. Mas se faço 3 ou 4 festas por ano, será que custa assim tanto usar louça a sério? Mesmo que isso signifique mais trabalho a lavar e arrumar? Eu prefiro. Nunca usei descartáveis em nenhuma festa ou jantar que fiz em minha casa. 
E se não têm muita louça para tantas pessoas? Duas soluções: descompliquem: chávenas de chá servem para servir sopa e até para sobremesas. Se o jantar é volante é indiferente comerem em pratos de sobremesa ou de sopa. E pires transformam-se em pratos de sobremesa. Copos também servem de taças. Em último caso peçam louça emprestada à mãe à sogra ou à irmã.
Não me interpretem mal, mas dar atenção aos pormenores também é ter atenção a estas coisas. No entanto reconheço como a louça descartável é pratica e no final tudo muito mais simples de limpar e arrumar. 

3 - Da comida

No jantar de aniversário do Zé Maria, acabei por fazer arroz de pato. Para o aniversário do António fiz uma cataplana de carne de porco. É na mesma uma coisa que dá para comer só com um garfo. O “problema”, que não é bem um problema, é a questão de ter de se encontrar um acompanhamento. Mais uma vez eu descomplico: com a cataplana opto por servir batata frita. Compro daquela pré frita em cubinhos e faço-a no forno. Fica optima e não dá muito trabalho. Além disso uma salada. Mais simples, só mesmo batata frita de pacote que um dia não são dias.
Para quem não quer, não gosta, não pode, não sabe, não tem tempo... de preparar o prato principal há sempre a opção de encomendar fora a empresas de catering ou restaurantes. Por aqui, às vezes também se vai buscar um leitão (não se esqueçam que eu moro em Coimbra!) e a opção dos frangos de churrasco é sempre valida. (Mas para comer em jantares volantes muito pouco prática)

Sobremesas e bolo de aniversário sempre preparados de véspera. Nada de exageros. No aniversário do António houve natas do céu, bolo de bolacha rápido e umas tarteletes de lemon curd e frutos vermelhos (com tarteletes de compra e curd de limão que tinha congelado). Além do bolo de aniversário de cenoura e chocolate para casa e da bolacha gigante para a escola.

E as entradas é simplificar. Desta vez, em vez de tábua de queijos e enchidos, tinha só um queijinho com doce de abóbora caseiro na mesa. Fiz  folhadinhos “comida de massa para massas” como lhe costumo chamar, porque não dão grande trabalho, também podem ser preparados de véspera. E quem diz folhadinhos, diz quiches e empadas familiares. Fiz folhados de alheira e de queijo e mel, mas podem vaiar no que quiserem, como salsicha e mostarda, cogumelos e queijo, alheira e espinafres, farinheira, morcela e maçã..... Outras sugestões rápidas e sem grande trabalho: ovos mexidos com farinheira (ou espargos, ou cogumelos), patês caseiros de atum , delícias, cavala, sardinha..... Tudo em pratos bonitos, composto e com tostas variadas e pão para cada um se ir servindo.  Não sou muito de salgadinhos, mas são sempre uma opção que a maioria das pessoas gosta. Podem sempre fazer com antecedência congelar e apenas fritar no dia. Para os ainda mais práticos e descomplicados. Comprar feitos e de boa qualidade e fritar. Simples. No jantar do António preparei folhadinhos de queijo e mel, de alheira, um patê de atum, azeitonas temperadas e bolinhas de carne - tipo croquetes. 

4 - Organização

Pensar, escrever tudo, fazer listas, ir às compras e cozinhar tudo o que for possível de véspera. Só deixei as batatas para fazer no forno no dia, montar as tarteletes e cortar o melão em cubinhos.
Deixar a mesa posta de véspera. Ter a máquina da louça vazia para ir colocando a louça suja, e a cozinha arrumada quando os convidados chegam.
Ter as bebidas frescas e o vinho à mão. 
Fazer uma pequena mesa de apoio com guardanapos extras, copos extra (no nosso caso de espumante porque tinhamos pessoas que só vinham para as sobremesas), pratos de sobremesa e talheres extra.
E uma dica fabulosa que uma leitora deixou na caixa de comentários do post anterior sobre as festas - papel de alumínio (ou caixas extra) para dividir as sobras pelos convidados. Eu por acaso costumo “oferecer” as sobras a que leva marmita para o trabalho no dia seguinte.
Arrumar tudo assim que a última pessoa sai.
Respirar fundo e pensar que só no próximo ano se volta a repetir... ou passado uns meses, vá!
Alguma coisa mais? Outras ideias?

Partilhem tudo!

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Receitas com Aproveitamentos


Como já falei várias vezes, aqui em casa evitamos a todo o custo o desperdício alimentar.

As refeições são planeadas e pensadas para a nossa família, para não sobrar, ou, em alguns casos, propositadamente para que sobre, para os meus almoços solitários.
Mas há coisas que sobram quase sempre: um bocadinho de arroz ou massa, carne assada ou frango assado, bacalhau ou um pouco de peixe...
E nada disso se estraga. E, se a quantidade for considerável, é tudo transformado numa nova refeição, ou num complemento para uma nova refeição.
Quando sobra o suficiente para um - que na maioria acaba nos meus almoços solitários, o que é o equivalente à “marmita” sendo que eu acabo por comer em casa - acaba quase sempre em qualquer coisa versão salada, que é misturar tudo num prato e já está!
Sobras de frango ou carne desfiada. Uma base de salada (mas que pode ser massa, arroz ou quinoa) azeitonas, pimentos salteados ou cogumelos, tomate aos pedaços, frutos secos ou sementes. maçã aos cubos, ou manga, ou ananás ou abacate. E queijo se tiver.

Se a quantidade for maior, e suficiente para aproveitar numa refeição para todos, é isso que acontece. Das duas uma. Ou desfio e preparo tudo logo, e depois congelo para a usar na ementa de outra semana, ou “anulo” alguma das refeições programadas dessa semana e substituo pelas sobras. Sobras de peixe são normalmente transformadas em pataniscas ou sonhos ou souflés de peixe com legumes. 

Também resultam bem em brás de qualquer coisa, em quiches e empadas e até rissois ou crepes. Isto também é valido para as sobras de carne. Se a quantidade for pouco, pode-se sempre juntar uma lata de atu, por exemplo, no caso do peixe, e no caso da carne chouriço, bacon, fiambre. Ou então simplesmente mais legumes: cenoura ralada, alho francês, cogumelos..... 
As sobras de carne além dos exemplos dados acabam também em empadão de arriz ou batata, lasanhas, ou simplesmente num “molho” com outras coisas para colocar sobre massa cozida. Um pastelão ou tortilha ou bolos salgados (tipo bolas) também são formas de “reciclar” sobras de comida numa refeição económica e satisfatória para todos. Legumes recheados - como tomate, pimento, courgete ou beringela também são optimos para usar sobras de carne ou peixe.

E os legumes que sobram? Se sobram legumes, eles também são uma solução prática para juntar à carne e ao peixe e transformar em outra coisa. Os pastelões, quiches ou pataniscas de tudo e mais alguma coisa, são sempre a receita perfeita para limpar frigoríficos. E as massas, ou ainda para rechear wraps, que é quase a mesma coisa que crepes, mas são soluções simples para levar na marmita e até comer frio. 
Sobras de legumes salteados em azeite e alho, e depois juntar um pouco de arroz, quinoa e servir com um ovo estrelado ou escalfado são boas opções

As sobras de arroz aqui em casa acabam sempre a ser reaquecidas e servem de acompanhamento na refeição seguinte, mas empadão de arroz e bolinhos de arroz, são também excelentes formas de reaproveitar.

As batatas acabam a ser aproveitadas para o puré da sopa, ou para fazer uma tortilha aldrabada. Fritar sobras de batata cozida cortada aos cubinhos em azeite e alho é um petisco. E se depois juntar uns ovos batidos e ainda salsa picada é um complemento a uma sopa nos jantares rápidos da semana.

Ficam aqui algumas das minhas receitas favoritas com aproveitamentos:

Bolinhos de Arroz

Almôndegas de Peixe e Batata Doce

Canelones Rápidos de Aproveitamentos

Sonhos de Peixe

Pizza de Brócolos

Arroz de Forno com Peru

Caril Rápido de Vegetais

Empadinhas de Frango

Pataniscas de Salmão e Alho Francês

Tarte de Frango com Ervilhas e Cenoura

 Arroz Frito Aromático

Croquetes de Frango

Pataniscas de Carne

Crepes de Peixe com Molho de Tomate

Tortilhas com Chilli

Arroz no Forno

Salada de Frango com Abacate

Folhado de Carne com Cogumelos

Crepes de Frango e Mascarpone

Frango à Brás no Forno

Aqui em casa vão-se aproveitando todos estes restinhos, nestas receitas, com uma ou outra variação. E vocês? Têm receitas favoritas feitas com aproveitamentos? Ou deixam passar as sobras e não as aproveitam?

Contem-me tudo!

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Dicas para organizar um jantar de aniversário sem muito trabalho (e durante a semana)


Era inevitável escrever este post depois de todos os comentários e mensagens e mails que recebi no inicio da semana por causa da organização do jantar de aniversário do Zé Maria.

Comecemos pelo início. O Zé fez cinco anos ontem. Ao contrário do que temos feito nos últimos 2 anos, que juntamos a festa de aniversário dele com a do irmão, que fará 3 anos já na segunda feira, este ano, porque fazem em semanas diferentes, e por outros motivos que não vêm ao caso, optamos por fazer apenas um jantar, no próprio dia de aniversário, para a família  -  os amigos mais chegados convidamos para os parabéns e sobremesas. A acrescer a isto têm sempre um bolo para a escola, onde cantam os parabéns com os amigos.

Mas isso significa fazer um jantar para 15 pessoas (e porque há tios que estão em Lisboa e não podem vir, se não éramos ainda mais!) durante a semana, quando no dia seguinte há trabalho e escola,... Tudo é possível. E fez-se com algumas dicas que eu acho essenciais e que partilho aqui com vc, porque já levo muitos anos de fazer festas, festinhas e jantares com alguma frequência e acho que posso ajudar em algumas coisas.

Essencial é marcar a hora de jantar relativamente cedo para conseguir que não acabe muito tarde e minimizar a hora dos mais pequenos - os nossos e os dos outros - irem dormir assim como das pessoas que trabalham no dia seguinte, e ainda têm coisas para preparar em casa... Por aqui marcou-se para chegarem por volta das 19h30, para começarmos a jantar o mais perto possível  das 20h.
E para isso tudo acontecer, é necessário estar tudo pronto e organizado - no meu caso, quase tudo de véspera (Se trabalham fora de casa, como a maioria das pessoas, obrigatoriamente têm de deixar as coisas preparadas de véspera!!)

Dica nº1 

Ser prático.

Nada de querer fazer 20 mini entradas diferentes, finger food style para uma mesa cheia de pessoas. Pensar em coisas que rendam e que facilmente dê para todos. De inverno um creme de legumes, uma sopa cremosa e diferente de alho francês, cogumelos ou couve flor, são sempre boas opções. De verão as saladas também são uma opção sempre bem. Ultimamente algo que nunca desilude são as tábuas de queijos e enchidos. Confesso que tenho recorrido muito  elas, e desta vez não foi excepção. Não há nada mais simples e com pouco trabalho. Basta passar no supermercado, comprar umas coisas e depois, compor um pouco antes das pessoas chegarem.

Dica nº 2

Simplificar.

Em vez de estar a fazer salada, optar por saladas embaladas, variadas e coloridas. Escolher o prato principal algo igual para todos - novos e velho, adultos e crianças. 


Dica nº 3

Escolher uma Receita de “um tacho só”.

Coisas como arroz de pato ou de frango à antiga, bacalhau com natas, lasanha, empadão... Ou seja receitas sem necessidade de acompanhamentos à parte e principalmente que possa estar preparada de véspera, e necessite apenas de ser finalizada na hora.
É também muito importante pensar numa receita que resulte bem para ser comida só com um garfo e de pé, em caso de jantares volantes.

Dica nº 4

Fazer de Véspera.

escolha coisas que possam ser preparadas de véspera. Tanto o prato principal como as sobremesas, para que no dia, não tenha que estar preocupada/o com grande coisa. Faça o prato principal e as sobremesas. E muito importante também é deixar já a mesa posta na noite anterior. Não se esqueça também das bebidas no frio.
Deixe para o próprio dia apenas o estritamente necessário, como queimar o leite creme na hora, cortar o pão, aquecer a sopa, preparar a tábua de enchidos....


Dica nº 5

Não exagerar nas Sobremesas.

Além do bolo de aniversário, mais duas sobremesas, uma de colher e outra tipo tarte, serão suficientes. E não esquecer ter fruta ( por exemplo melão aos cubos ou fatias de ananás)

Dica  nº 6

Planear.

Com base nas dicas anteriores, assim que começa a pensar no jantar, faça o planeamento antes de começar qualquer outra coisa. 
As receitas que vai fazer, a lista de compras, a ordem pela qual vai cozinhar, qualquer outra coisa que tenha de comprar - flores ou velas...

Dica nº 7

Simplicidade e atenção aos pormenores

Uma mesa simples será sempre bonita. Toalha branca, guardanapos brancos (de pano preferencialmente), louça branca. Umas velas, umas flores simples, até uns vasinhos que tenha em casa dão um apontamente de cor e fazem a diferença. Disponha as coisas harmoniosamente e de forma cuidada: o pão em cestinhos, a água e o sumo em jarras ou garrafas de vidro em vez das feias garrafas de plástico.. Não é preciso nem coisas caras, nem gastar dinheiro em flores. Decorei a mesa apenas com alecrim do jardim e uns vasinhos de suculentas que temos em casa. A máxima que diz “menos é mais” está sempre certa nestas coisas.

Dica nº 8

Não deitar sem arrumar.

Depois dos convidados se irem embora, fica a pior parte arrumar tudo. Partindo do principio que a maior parte das coisas estão feitas de véspera, a cozinha estará minimamente arrumada e terá maioritariamente as louças do jantar para arrumar - o levantar da mesa. Assim que se forem todos emboras trate logo do assunto. Acondicione a comida que sobrou em caixas próprias e guarde no frigorífico. Levante a mesa e coloque a louça para lavar na máquina, lave a restante à mão. Cá em casa fica logo tudo arrumado - só a louça lavada por arrumar. Não há nada pior do que acordar no dia seguinte para uma cozinha caótica. Prefiro dormir menos 1 hora e acordar para uma casa organizada. E se vão trabalhar no dia seguinte, então ainda pior....


Alguma dica importante que me tenha falhado? Quem por aqui faz qualquer coisa do género? 

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

100 dias para o Natal




Não pensem que o tema Natal estava esquecido!! Por mim, o natal nunca está esquecido.
Constato que faltam 100 dias para o Natal. Parece imenso tempo, mas não é!
É altura de - se ainda não o fizeram - começarem a pensar nas listas de presentes, nos cabazes, nas receitas que querem fazer e experimentar, testar algumas coisas e até começar a comprar alguns presentes.
Sei que o tema de comprar presentes faz sempre imensa confusão à maioria das pessoas, mas os meus sobrinhos e afilhados, já tem os presentes comprados, que aproveitei como habitualmente os saldos de verão para o fazer. É uma forma de poder dar um presente melhor ou até de pouparem algum dinheiro, ou simplesmente de evitarem a confusão do natal e dos fins de semana de lojas cheias e de acabarmos a comprar a primeira coisa que nos aparece à frente. Comprei roupa, porque sei o tamanho dos miúdos e os gostos e torna-se fácil. Também não faço cerimónias em com os meus cunhados, nem com os meus “compadres” e amigos - até porque fazemos quase todos o mesmo, e portanto, caso por qualquer motivo eles queiram trocar (o que não costuma acontecer), há abertura suficiente para dizer que não há talão de troca, e que compro outra coisa. Eu faço assim, mas sei que eles também fazem, e é por isso que todos sabemos os tamanhos uns dos outros, que optamos pela prenda útil, e que aproveitamos os saldos. E o que não quer dizer que não se complemente com um brinquedo ou livro depois.
Portanto prendas dos miúdos despachados, as dos adultos mais ou menos definidas e os cabazes por fazer, obviamente.

No entanto, como me ofereceram os primeiros marmelos do ano, já saíram umas quantas tacinhas de marmelada que vão fazer parte dos meus cabazes. Este ano com uma pequena alteração. Com os frascos para as compotas e afins não costuma haver problema, porque os vou colecionando ao longo do ano, das coisas que vou comprando e aproveito (pickles, azeitonas, .....) mas com as taças para colocar a marmelada é outra questão. Tenho sempre que comprar taças e, por mais que procure opções mais em conta, não tenho encontrado. O ano passado acabei a dar a marmelada em taças que tinha aqui por casa, desemparelhadas e afins. Mas este ano não tenho. E portanto tomei outra decisão. Fiz a marmelada e vou retirar da taça e oferecer bem embrulhada em papel vegetal. A marmelada depois de seca desenforma perfeitamente e, para mim até fica mais bonita assim, depois de bem embrulhada e decorada. Ainda está a secar, mas este ano será a minha opção.
Depois não pode mesmo faltar a compota de abóbora que eu sei que todos gostam muito. E o resto... bem, o resto ainda tenho de pensar! 
Mas por aqui já há avanços.


E por aí? (Digam-me que não sou a única!)