quinta-feira, 26 de Março de 2009

Gerir Gastos!

Não há nada pior do que não sabermos gerir o dinheiro que temos. Seja muito ou pouco, é nossa obrigação saber viver com aquilo que temos. Que mais não seja evita chegar a meio do mês sem dinheiro, e evita gastos desnecessários do cartão de crédito que, apesar de muito útil em algumas circunstâncias deve ser usado com muita conta peso e medida, pois os juros são dos mais altos que o consumidor paga. (Em questão de cartão de crédito nada como só ter 1 para usar em emergências e viagens e pagar a 100% ou pelo menos a 50%!)
Mas como havemos de gerir o nosso dinheiro? Temos, vamos gastando, e depois logo se vê, é o lema da maioria das pessoas. Depois no resto do mês usam a conta-ordenado e os já falados cartões. Parece-me uma perspectiva totalmente errada e, pior ainda demonstra a falta de "formação" para o dinheiro da maioria das pessoas.
Como fazer? Posso dar-lhes uma sugestão, ideias de como poderão gerir os vossos orçamentos, mas, como tudo na vida, é uma questão de disciplina. Neste caso ,de disciplina financeira. Em 6 passos!

1º passo: Saber o total dos rendimentos - Quanto dinheiro recebem líquido ao fim do mês? Seja 1000 ou 5000, é esse o vosso orçamento e é em função dele que vão gerir as vossas despesas.

2º passo: Calcular as despesas fixas - Numa folha de exel, façam um pequeno quadro e coloquem as vossas despesas fixas mensais: a prestação da casa, do carro, o condomínio, a escola dos filhos, seguros, a conta da água, da luz, do gás, da internet, do telefone, da televisão por cabo,. Podem usar estimativas daquilo que gastam em gás, àgua, telefone, luz, ... para terem uma ideia de quanto gastam por mês.

3º passo: Calcular outras despesas - Na mesma folha de exel façam uma estimativa de quanto gastam por mês no supermercado (sejam o mais rigorosos possíveis com as estimativas. Podem recorrer aos extratos bancários para saberem quanto gastam), combustíveis, com roupas e calçado, prendas, assinaturas ou compra de jornais e revistas, a conta da empregada, telemóveis, despesas médicas, cabeleireiros, restaurantes e outras saídas como cinema e cafés...

4º passo: Calcular a diferença - Somem todos os campos das despesas fixas e outras na vossa folha de exel, e façam a diferença com o vosso rendimento mensal. Se o saldo for possitivo, estão de parabéns, pois significa que sabem controlar os vossos gastos, e viver de acordo com aquilo que recebem. Talvez ainda consigam fazer alguns ajustes e conseguir poupar alguma coisa no fim do mês. Agora se o saldo fôr negativo... Há que repensar essas contas!

5º passo: Orçamentar os nossos rendimentos - Para quem chegou ao fim destas contas com um saldo negativo, há que fazer orçamentos que nos permitam ficar com um saldo final positivo.
Voltemos à lista de despesas da folha de exel. Numa coluna ao lado da dos gastos efectuados, vamos preparar um orçamento que nos permita chegar ao fim com um saldo positivo.
Não vamos poder cortar com as prestações da casa, nem do carro, nem do condomínio, nem da escola das crianças. Em relação às contas da água, da luz ou do gás, podemos fazer alguns ajustes como substituir as lampadas por lampadas de baixo consumo, não deixar luzes acessas desnecessariamente, lavar com as máquinas na capacidade máxima e, para quem tiver essa opção, nos horários mais económicos, usar o menos possível o secador da roupa, não lavar a louça, nem os dentes em água corrente, preferir os banhos rápidos de chuveiro.... Mas apesar destas medidas, temos de ter noção do efectivamente gastamos.
Depois temos os superfulos: televisão por cabo, internet e telefone. Tudo somado deve dar uma boa quantia. Comparem preços de diversos operadores e optem por serem assinantes das 3 coisas numa mesma factura, como a ZON ou o Meo. A diferença chega a ser muito grande, e deixam de ter de pagar uma assinatura enorme de telefone. Normalmente pagamos mais de assinatura do que de chamadas efectuadas. Vejam também se não estão a pagar uma velocidade de internet da qual não necessitam, ou da qual nunca chegam a fazer uso, e reduzam assim a factura. Reduzam o vosso orçamento nestas 3 coisinhas.
Na conta do supermercado também é preciso fazer ajustes. As crianças não precisam de bolachas, doces, gelados e refrigerantes todas as semanas. Guardem essas coisas para dias especiais. Estejam atentos a promoções e descontos. Comprem, sem medo, produtos de marcas brancas e, aprendam a planear refeições e fazer listas de compras, tal como se explica aqui. Vão ver as diferenças de gastos ao fim do mês. Estabeleçam um valor justo a gastar em supermercado por mês e tentem planear refeições em função desse orçamento.
Quanto aos combustíveis também é difícil poder cortar muito. Temos de ir trabalhar, levar as crianças à escola, ir às compras... Mas vamos evitar deslocações desnecessárias. Em vez de ir passear todos os fins de semana, tiramos 1 ou 2 por mês para o fazer, e os restantes tentamos fazer outro género de actividades em casa ou perto de casa, sem obrigar a grandes deslocações. Também podem poupar qualquer coisa em combustíveis usando talões de desconto que alguns supermercados oferecem, bem como comparando o preço de combustíveis na região onde moramos.
As despesas médicas são muito relativas. Não sei se terão consultas frequentes que tenham de pagar, bem como medicamentos que tenham de comprar regularmente. Se for esse o caso preencham a coluna com o valor mensal que costumam gastar, pois é algo em que não se pode poupar. Para quem não tem gastos médicos regulares um pequeno orçamento para 1 consulta de emergência e/ou medicamentos é suficiente.
Cubrimos já todas as principais despesas, onde é quase impossível cortar, mas onde podemos fazer alguns ajustes que nos permitam gastar um pouco menos.
Quanto às restantes despesas, como roupas, calçado, cabeleireiro, restaurantes, vamos estabelecer um orçamento em função do dinheiro que ainda temos depois de pagarmos todas as outras coisas essenciais. E não nos vamos desviar muito desse orçamento. Porque não necessitamos de ir ao cabeleireiro todas as semanas, nem de comprar roupa e sapatos todos os meses. Aproveitem os saldos para comprar roupa e calçado, bem como prendas de anos e de Natal. Este ano em Setembro, já tinha 1/3 das prendas de Natal, e evitei o caos das compras de ultima hora.
Se assinam 5 ou 6 revistas, verifiquem se efectivamente necessitam de todas elas. Reduzam ao essencial, ou, se necessário eliminem esse gasto superfulo. O mesmo acontece com as saídas, os restaurantes, os cafés e pequenos almoços e lanches fora. Deixem as idas aos restaurantes para ocasiões especiais. Convidem os amigos e façam as refeições em casa, certamente muito mais confortáveis. Tomem o pequeno almoço em casa e levem o lanche da tarde. Já viram o dinheiro que deitam pela janela nestas pequenas coisas? Se forem 5€ por dia, são mais de 100€ ao fim do mês!
Quanto aos telemóveis, prefiram os pré-pagos, que vos permitem gerir melhor o valor a gastar. Comparem preços de operadores e escolham o tarifário que melhor de adequa aos vossos gastos. Se tem de carregar com 25€ de 2 em 2 meses, tentem ir gerindo de modo a não ultrapassar essa fasquia.
Quanto à empregada, se a tiverem, vejam bem se lhe podem mesmo pagar. Se não tentem reduzir o numero de horas que ela vai. Se vai 2x por semana passa a ir 1, se vai 1x por semana, passar a ir meio-dia. Se mesmo assim não encaixa no vosso orçamento. Poupem esse dinheiro e passem voçês a tratar da casa. A alternativa não é brilhante, mas é preciso fazer sacrifícios para sair do vermelho!

6º passo: Cumprir orçamentos - Agora, depois dos ajustes efectuados e do orçamento mensal pronto, que vos permite sair da zona vermelha, há que cumprir o orçamento quase à risca, fazendo apenas alguns pequenos ajustes que possam ir surgindo.

Eu tenho a minha folha de exel sempre feita, e, numa coluna ao lado da do orçamento a gastar em cada item. Tenho também o valor real que efectivamente gastei em cada mês. Isto permite-me fazer pequenos ajustes ao longo do ano. E a nunca chegar a um saldo negativo. E a conseguir deixar alguma coisinha de lado. E a aprender a não ultrapassar orçamentos. E a fazer alguns sacrifícios e deixar de comprar algumas coisas, porque o orçamento não permite.

Vão ver como vão conseguir chegar ao fim do mês com um saldo positivo, porque afinal a solução é muito simples: Temos de viver de acordo com aquilo que temos!