segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

A 16 dias do natal ....



A contagem decrescente para o Natal está cada vez mais apertada!
Mas finalmente todos os presentes estão comprados e uma grande parte já está embrulhada!
Os cabazes de natal têm todas as receitas definidas. Já há Compotas, marmeladas, geleias, chutneys e uns frasquinhos com uma mistura de especiarias que partilharei em breve no Blogue “As Minhas Receitas”. Há bolachinhas e bolos para fazer, mas só depois de dia 17 acho que o vou conseguir fazer! 

Já tenho saquinhos de celofane para embalar o que for necessário e um sem número de frascos para muitas outras coisas. As decorações dos cabazes também já tenho.
Este ano, o que está mesmo, mesmo atrasado, são os postais de natal que ainda nem a nossa foto da praxe tiramos!!! Não podemos deixar isto para muito mais tarde!

Também já está definido onde e como vai ser o natal este ano, e ao que parece não vou fazer nada cá em casa! Não fiquei muito feliz com esta ideia para dizer a verdade, mas respeitas as opções e decisões dos outros também é Natal, e não pode ser sempre tudo como eu idealizo. Mas de certeza que vai correr tudo igualmente bem. E já tenho a minha lista de coisas a fazer!


Portanto, por aqui tudo de encaminha! E nas vossas casas? Como vão esses preparativos?

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Embrulhos Originais


Embirro com as prendas embrulhadas nas lojas, Embirro com a moda dos sacos agrafados e fazerem de embrulho. Gosto de embrulhar presentes e gosto ainda mais de os personalizar. E gosto de ver esses embrulhos debaixo da arvore de natal, que ficam sempre melhor do que um sem número de sacos debaixo da árvore. 
Muitas vezes não peço embrulhos nas lojas e embrulho eu em casa. É também uma vantagem de algumas compras online. Porque temos de ser nós a embrulhar!
Ultimamente tenho embrulhado em papel kraft reciclado, que podem comprar em papelarias. São baratos, dão para imensas coisas, e são mais simples de reciclar e até ecológicos porque não têm tintas.
Outra ideia é usarem restos de tecidos para embrulhar, panos ou até sacos de tecido. Vi até embrulhos muito giros usando panos de cozinha com enfeites natalícios...
E depois os presentes podem ser personalizados de muitas formas. Este ano com carimbos que comprei na tiger, com fitinhas, com etiquetas que pedi aos miúdos para desenharem, principalmente para as prendas dos avós. Podem usar flores secas e até ervas aromáticas como alecrim ou louro do jardim. Até fazendo colagens e composições.

Eu gosto de personalizar os meus presentes. Gosto que sejam todos uniformes e bonitos. É outra vez a mesma questão dos cabazes. Pequenos gestos, pequenos pormenores que fazem a diferença e que, para mim, são espírito de natal!


Quem também gosta de embrulhar presentes e de os personalizar?

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

15 Receitas de Bolachas para os Cabazes de Natal


Para quem faz os seus cabazes de Natal, e gosta de oferecer bolachinhas e biscoitos, esta é altura de começar a pensar nas receitas que querem fazer.
Podem optar pelas mais variadas receitas, desde as bolachas para usarem cortadores, a biscoitos mais clássicos, cookies de chocolate, ou mesmo versões mais saudáveis de bolachas. Podem optar também por um sortido de bolachas caseiras.

Para se irem inspirando, deixo-vos o link para as minhas 10 receitas de bolachas e biscoitos favoritos para oferecer no natal:



Ainda vão a tempo de testar algumas receitas para oferecer! Nem que seja um miminho para as professoras e educadoras dos nossos filhos, para as amigas de coração, ou simplesmente para a tia gulosa!

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Calendário de Advento 2019


Dezembro já leva 4 dias, mas não queria deixar de partilhar aqui as nossas ideias para o calendário de advento deste ano!
O calendário em si, encontrei ainda em Outubro à venda no Aldi, e consiste em 24 casinhas de papel - que já vinham prontas a montar em casa.
Depois de montar as casinhas, coloquei-as sobre o móvel, numa espécie de Aldeia Natal.
Escrevi 24 tarefas/sugestões/ideias muito simples, apropriadas à idade deles e à nossa disponibilidade diária e coloquei cada uma delas numa gavetinha de um outro calendário de advento que temos. Todos os dias procuramos na gaveta do dia a actividade/ideia proposta e depois de feita colamos na casinha de papel a mensagem, e viramos a casinha, numa contagem decrescente até ao Natal. Parece complexo, mas os miúdos têm achado alguma piada a ir à gavetinha e depois a colarem a actividade no telhado da casinha, vendo que cada vez faltam menos dias para o natal!



As nossas actividades são realmente simples. Desde escrever a carta ao pai natal, ler uma história de natal debaixo da árvore, fazer bolachinhas, fazer desenhos para dar aos avós e tios no natal, agradecer uma coisa boa do nosso dia, montar um lego pequenino especial de natal, ir ver as luzes de natal, fazer uma actividade com os amigos, separar um brinquedo para dar, partilhar algo com um amigo ou com o irmão, ...
Coisas que realmente possam ser feitas diariamente e que lhes mostre também um pouco do espírito desta época.


E por aí? Prepararam um calendário de advento? Fazem actividades ou apenas colocam miminhos?

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

A 22 dias para o Natal...


A 22 dias para o Natal os presentes para todos os sobrinhos e afilhados estão comprados.
Os presentes dos meus pais estão definidos mas como tenho tido os miúdos doentes ainda não pude ir comprá-lo. Faltam os presentes dos cunhados, e acho que a esta altura do campeonato é raro já não ter tudo comprado, mas este ano estamos assim.
Já há compota de abóbora feita, chutney de cebola roxa, geleia de cascas de maçã e marmelada feitas - tudo receitas no blogue.
Já comprei os sacos de algodão, fitas, bolinhas e outras decorações para os meus cabazes de natal. Já reuni frascos vazios para guardar as diferentes iguarias.
Já tenho uma lista de tudo o que quero fazer para os cabazes. 
Preparei o calendário de advento dos miúdos mesmo a tempo do inicio de Dezembro.
Mas...
Ainda não decorei os sacos para os cabazes, ainda não comprei os sacos de celofane, ainda não tratei de nada para os postais de natal deste ano e ainda não embrulhei um único presentes.
Podia estar melhor por aqui, mas também podia estar pior! Com os miúdos doentes há mais de uma semana e muito limitada nas minhas tarefas, acho que nem estamos muito mal.

Tenho também partilhado,  todas as sexta feiras, algumas novas sugestões para os cabazes de natal de 2019. Para já umas bolachinhas com especiarias, um chutney de cebola roxa e um bolo natalício para oferecer ainda antes do natal, ou como presente de ultima hora! Dia 6, sexta feira, partilharei uma nova sugestão.

Entretanto esta semana sugiro que, tal como eu, aproveitem para se organizarem, e fazer uma lista do que querem fazer.
Por aqui quero começar a embrulhar os presentes dos sobrinhos e afilhados, comprar os transfers para decorar os sacos onde vou oferecer os cabazes, ir comprar os saquinhos de celofane, comprar a prenda dos meus pais e decorar os quase 30 frascos de abóbora que tenho aqui em casa. Esta são as minhas tarefas natalícias para esta semana!


E por aí? Como está tudo a correr!

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Papas de aveia para a semana


Nada melhor do que poder simplificar as manhãs, normalmente atribuladas de quem tem de acordar, vestir e dar de comer a crianças pequenas, enquando ainda trata de si para sair de casa a horas.
Uma das coisas que passei a fazer e que ajudam e muito as manhãs aqui de casa, foi preparar papas de aveia numas quantas doses, e guardar depois em frasquinhos, no frigorífico, para depois ser apenas pegar, aquecer e comer.
Faço a receita de sempre, mas em maior quantidade, que aqui em casa dá para 6 frasquinhos pequenos, que é a dose que os miúdos comem., E faço a versão mais básica de todas, porque assim, com pequenos complementos agrada a todos. Depois de feitas podem juntar mel e cacau para uns, banana esmagada para outros, maçã ou pêra ralada ou cozida. Não aconselho a juntarem fruta para guardar, pois pode azedar.
Depois de feitas, guardo as papas em em frasquinhos de vidro (cerca de 200ml) reutilizados, no frigorífico. A quantidade exata para uma dose para os miúdos. Obviamente que não é preciso esterilizar os frascos (Não esterilizamos as embalagens onde colocamos a comida no frigorífico, pois não?!)
Depois é guardar no frigorífico até 3 dias (apesar de durar até 5 dias....) Depois é só tirar a tampa e aquecer no microondas e juntar, caso necessário mais leite, ou mel ou a fruta, por exemplo. 
Aqui em casa simplificou as nossas manhãs. E deixou de haver miúdos a refilar e a molengar porque a papa está muito quente porque foi acabada de fazer.

Papas de aveia simples:

1litro de bebida vegetal (eu uso de aveia mas podem usar qualquer outra bebida a gosto ou leite)
 canela em pó a gosto
130g de flocos de aveia finos

Juntar tudo numa panela e misturar. Levar ao lume brando a engrossar, mexendo sempre, cerca de 10 minutos.
Dividir pelos frascos, ainda quente, fechar e colocar no frigorífico. 
Para quem quiser fazer na bimby, basta colocar todos os ingredientes, programar 10 minutos, velocidade 4, 90ºC durante 10 minutos.


Espero que simplifique as vossas manhãs!

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Vamos lá começar a Preparar o Natal: Faltam 50 dias!


Faltam 50 dias para o Natal. E este ano, tirando os presentes do “Pai Natal” dos miúdos, ainda não comprei presentes para ninguém. Acho que é a primeira vez que isto acontece!
Claro que fiz o que já tinha feito o ano passado: durante o ano acumulei todo o saldo possível do cartão Continente, sem nunca o descontar e no passado fim de semana lá fui eu aos 50% dos brinquedos. Comprei o que eles queriam sem usar “dinheiro” meu, pois usei apenas o saldo do cartão. E convém dizer que não me meti em grandes gastos. O saldo que lá ficou, e que tem de ser gasto até dia 1 de Dezembro é que vai servir para comprar outros presentes (roupa, livros para os miúdos ou até artigos para a casa. Também por isso não me importo tanto de ainda não ter comprado quase nada!)

Como é habitual. aqui por casa, tirando os miúdos: filhos, sobrinhos e afilhados, e as prendas dos pais e irmãos/cunhados, não se compram prendas para mais ninguém. As restantes prendas, são os meus habituais cabazes “homemade” de natal, que faço desde 2006, e que ofereço a todos os nossos amigos e à restante familia!

Para já há marmelada feita e embalada, geleia de casca e caroços de maçã e uma abóbora enorme à espera de de ser transformada em doce de abóbora, o clássico de sempre!
E há já muitas outras ideias para fazer e ir partilhando por aqui. Desde as mais clássicas como os biscoitos e bolachas que não há quem não goste de receber umas bolachinhas gulosas, a outras mais originais, mas sem falhar muito no que faço habitualmente e que podem ver nos anos anteriores.

Este ano também já tenho mais ou menos definido como vou oferecer todas as coisas que compõe os cabazes. Procurei uma solução mais simples mas original, porque sei que nesta altura do ano é sempre tudo a correr, e queria que a função utilidade estivesse presente! Também partilharei a seu tempo!

Para começar, e apesar de parecer que ainda falta muito tempo para se começarem a preparar deixo algumas dicas quer para as prendas de natal, quer para os cabazes:

 - Façam uma lista de todas as pessoas a quem querem oferecer alguma coisa. Não interessa se são os filhos e os brinquedos, ou a colega de trabalho a quem só vamos levar um pacotinho de bolachas caseirasou um frasquinho de compota caseira.

  • Estabeleçam o valor a gastar e não se afastam desse valor.

  • Outra coisa que fazemos aqui em casa, e porque na verdade só oferecemos presentes aos irmãos, sobrinhos, afilhados cunhados e pais, é apostarem no presente útil. Por aqui é o que fazemos. Perguntamos uns aos outros o que estão a precisar, e é isso que oferecemos: desde frigideiras, edredons, malas de viagem, sapatilhas, camisolas interiores, perfumes... falamos entre nós e compramos o que realmente estamos a necessitar.

  • Outra opção simpática, e que uso quase todos os anos com os meus pais  é oferecer “experiencias” ao invés de coisas: bilhetes para concertos os espetáculos que eu sei que eles gostam, estadias num hotel ou pousada.... 

  • Em relação aos cabazes, façam uma lista do que querem colocar em cada cabaz. Sejam objetivos. Um cabaz não tem de ter 10 coisas diferentes. Façam de acordo com sabem fazer e têm dispobibilidade para fazer. A muitas pessoas dou apenas um frasquinho de compota ou uma latinha com bolachas caseiras. Porque só quero assinalar que me lembro delas, O valor não é, de todo o mais importante, mas o gesto!

  • Assim que possível comecem a separar as receitas que querem fazer para os cabazes. Compotas e marmeladas podem ser feitas com muita antecedência. Outro conselho de quem já faz cabazes de natal há muitos anos e dá imensa importância aos pormenores: vão decorando as coisas à medida que as acabam. Por exemplo, como já fiz as marmeladas, já as embalei e decorei. Nos anos em que decido decorar tudo nos últimos dias, dou em doida!


Vamos lá começar a preparar este Natal!!

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Dicas para demolhar, cozer e acondicionar Leguminosas


Se há coisa que eu considero de bastante utilidade é uma arca congeladora. Tenho uma arca desde que me casei - foi prenda de casamento  - e confesso que sei muito bem como é que conseguiria fazer se só tivesse aquelas três gavetas do combinado do frigorífico.
Uma arca congeladora é, na minha opinião, uma enorme ajuda, pois permite fazer uma gestão muito maior de algumas compras e de aproveitamento de hortícolas e de sobras, mas também rentabilizar outros recursos, como por exemplo as leguminosas.
Demolho e cozo as leguminosas em casa. É raro comprar - normalmente só se for uma enorme emergência de não ter leguminosas já cozinhadas congeladas (raro!!!) ou para os workshops. E a vantagem de ter uma arca congeladora é que cozinho grandes quantidade de uma vez só, e depois congelo em doses para ir descongelando em função das receitas e das necessidades. E esta é uma das vantagens e “rentabilização” que podemos fazer da nossa arca.

Ultimamente aproveito um dia com alguma disponibilidade para cozinhar várias leguminosas de cada vez, e assim ficar com “stock” para alguns tempos.
Começo sempre por demolhar as leguminosas. Normalmente demolho entre 12 a 24 horas e um quilo de cada vez.

Da última vez demolhei um quilo de grão de bico, um quilo de feijão azuki, um quilo de feijão branco e 500g de lentilhas castanhas (que no caso das lentilhas NÃO as demolhei porque não necessitam)

Em cada um dos recipientes coloquei as leguminosas, água e um pedaço de alga Kombu (não é preciso muita quantidade). A alga kombu, e isto aprendi com a culinária macrobiótica, melhora a digerabilidade das leguminosas, tornando-as menos susceptíveis a desconforto intestinal, e também a sentirem-se menos “pesados” (corrijam-me por favor se estiver enganada!) Há quem defenda que não precisa de se colocar a alga na parte de demolhar, e apenas cozer as leguminosas com a mesma, mas a mim ensinaram-me a fazer os dois passos com a alga: a demolhar e a cozer, e eu faço sempre assim desde então. A única coisa a terem em atenção é que ao usarem a alga para demolhar as leguminosas não a podem consumir, mas se só a usarem para cozer as leguminosas, podem comer a alga se assim o desejarem.
A alga kombu podem comprar em lojas de produtos naturais, como o Celeiro e semelhantes, e já encontrei à venda em hipermercados como o Continente, na área dedicada aos produtos naturais e biológicos, portanto é relativamente fácil de encontrar se soubermos onde procurar.

Demolho cada uma das leguminosas em separado - grão, feijão, .... com um pedaço de alga kombu, normalmente durante a noite, cerca de 12 horas (mas como já disse anteriormente podem demolhar mais tempo. De uma maneira geral quanto mais tempo demolharem, mais rápido é o tempo de cozedura!)

Ao fim desse tempo descartam a água da demolha, e colocam as leguminosas com a alga numa panela e juntam agua nova. Há quem junte sal, há quem junte apenas louro e alho para sabor. A saber: ao juntarem sal, é normal que a cozedura possa demorar mais tempo.

Podem usar uma panela normal ou a panela de pressão, ou até mesmo uma panela slowcooker se a tiverem. A minha mãe sempre cozeu as leguminosas na panela de pressão, porque é muito mais rápido. No entanto eu raramente o faço, porque acho mais difícil conseguir controlar o tempo de cozedura e várias vezes ficava com as leguminosas demasiado cozinhadas e a desfazerem-se. Pessoalmente prefiro cozer numa panela normal, em lume brando, durante cerca de 1h a 1h30. Há leguminosas que demoram mais e outras que demoram menos. É irem estando atentos, e testarem a cozedura das mesmas até estarem satisfeitos.
Porque é um pouco demorado, eu prefiro fazer logo uma maior quantidade e várias variedades ao mesmo tempo: é ver 3 ou 4 panelas ao fogão, cada uma a cozer a sua coisa.

Depois das leguminosas cozinhadas (eu descarto a alga kombu), e divido depois as leguminosas por frascos de vidro, juntando também um pouco de água de cozedura das mesmas.
Há quem prefira congelar em sacos de congelação. Eu como junto o líquido da cozedura prefiro outro tipo de recipientes. E como o faço em quantidade não teria tupperwares suficientes para colocar todas as leguminosas divididas em porções. Por isso opto pelos frascos de vidro.
Há apenas uma regra simples para congelar em vidro com segurança. Não os devem encher até cima. Deixem um espaço de cerca de 2 dedos para deixarem que, ao congelar, o líquido expanda e não exista o risco de o frasco “rebentar” partindo.

Em relação a juntar o líquido da cozedura: eu prefiro fazer assim, porque em algumas receitas gosto de o poder usar - como um arroz de feijão ou uma feijoada. E além disso acho mais simples de descongelar rapidamente (no microondas, por exemplo) quando têm líquido, e acho que ao congelar num meio liquido, as leguminosas ficam mais “protegidas” do gelo (mas isto é mais da minha cabeça que “científico”).

Também podem optar por congelar leguminosas já demolhadas e sem serem cozinhadas, para cozer mais tarde. Nesse caso coloquem em sacos de congelação, e cozam depois quando vos der mais jeito, sabendo que já estão demolhadas. Pessoalmente não vejo grandes vantagens, porque as leguminosas secas aguentam meses ou até anos numa despensa, mas pode ser uma opção para algumas pessoas.

Depois é congelar os frasquinhos todos, e ter leguminosas várias disponíveis para a preparação das refeições da semana. Basta lembrarem-se de véspera do que querem fazer, e deixarem o frasco a descongelar no frigorífico. Se se esquecerem, basta retirarem a tampa ao frasco e usarem o modo de descongelar do microondas e em poucos minutos estão prontas a usar.


E vocês? Preferem comprar já cozidas ou cozem em casa?

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

A festa dos Miúdos: Organização, Receitas e Planeamento


Organizar uma festa para mais de 50 pessoas, em casa, e com tudo feito por nós, não é, de todo uma tarefa fácil. Mas com planeamento, organização, algum esforço físico e muita vontade, tudo é possível.
Mas como tudo começa? 
Nada melhor do que começar por definir o dia, o local e a lista de convidados. Por aqui, como os miúdos fazem anos com 6 dias de diferença que calhavam em dias de semana, a família é grande, e fazia sentido reunir tudo de uma vez só - até por questões de orçamento financeiro - decidimos que a festa seria no primeiro sábado após o aniversário do António. Optamos sempre por fazer a festa em casa, neste caso no nosso jardim, se o tempo o permitisse. Não estava o melhor tempo do mundo, que os finais do dia são frescos, mas resolvemos isso, pedindo aos nossos convidados que viessem agasalhados, uma vez que a festa seria no jardim. Fizemos os convites, recebemos as confirmações e ficamos com o número final de convidados.

E a ementa?
Depois é tempo de planear a ementa. Eu não sou a melhor pessoas com quantidades, nem a melhor pessoa a delegar. Há muitos, mesmo muitos anos que estou habituada a fazer festas para muitas pessoas cá em casa, e gosto de ser eu a fazer tudo. A prática ensinou-me que, sendo eu a fazer tudo, a palavra de ordem é simplificar. Nada de grande finger food, e de querer comida que se tenha de preparar ou fritar ou levar ao forno na hora. Impossível quando queremos ser nós a fazer e temos mais de 50 pessoas em casa, portanto defino a ementa com isso em mente. Outra coisa que é realmente muito importante para mim, é que a comida possa estar já toda pronta quando as pessoas chegam. Eu também quero disfrutar da festa, e não quero estar na cozinha a fazer nada quando as pessoas chegam. Aliás, quando os convidados chegam, o ideal é ter a comida já toda pronta a ser servida, e a a cozinha arrumada e com a máquina disponível.
Portanto é essencial pensar numa ementa que sirva estes propósitos e condicionantes pessoais.

As ementas cá de casa para este tipo de festas, obedecem sempre a algumas “regras” que, funcionam lindamente por aqui:
 - “Entradas” tudo em buffet para que cada pessoa se sirva à sua vontade. 
 - Sobremesas”com o bolo de aniversário e fruta
 - Um prato principal de “jantar” com acompanhamentos
 - Uma sopa

Normalmente as festas costumam estar marcadas por volta das 17h. E sem nenhum tipo de horário fixo, funcionam mais ou menos assim a nível de horários - só para se guiarem na ordem:
 -  Está tudo na mesa as 17h. As pessoas vão chegando e conversando, e começam sempre pelas “entradas” (lanche/salgados)
  • por volta das 19h, 19h30 é normalmente quando de passa às sobremesas, e por volta das 19h30, 20h cantam-se os parabéns. Depois dos parabéns há sempre algumas pessoas que acabam por se ir embora, mas há sempre as que ficam mais tempo, até porque se vai anunciando que há “jantar”.
  • por volta das 20h30/21h, vem a sopa e o “jantar”


Aqui em casa uso sempre este esquema e que funciona muito bem connosco.

Ainda em relação à ementa, e como já disse, não sou muito boa com quantidades. O que faço é pensar que se tenho 50 pessoas, e fizer 10 receitas que sejam com quantidades para 4 pessoas, tenho comida para alimentar 40 pessoas, uma vez que todos comem um bocadinho de cada coisas. Portanto é mais ou menos assim que defino quantidades....
Saladas frias, wraps, dip e pates, e tábuas de queijos e enchidos são sempre as minhas coisas salgadas preferidas para os lanches, porque acabam a satisfazer quase todas as pessoas, não dão muito trabalho e podem ser preparadas com antecedência. Nas sobremesas uso mais ou menos a menos a mesma regra, uma vez que aqui a família e os amigos são gulosos. 
É também muito importante terem em atenção que têm de pensar em comida que possa facilmente ser comida de pé, apenas com um garfo, ou à mão, pois é uma festa volante. Nada de coisas que necessitem de faca....

Apenas para se inspirarem deixo a ementa que preparei para esta ultima festa dos miúdos. (não dupliquei receitas)

Entradas/salgados:


Jantar:
  • Sopa de Abóbora Assada com Coentros
  • Pá de Porco na Slowcooker com Maçã e Cebola Roxa, pãezinhos, salada e maionese de sweet chilli
  • batatas fritas pacote

Sobremesas:


Como Fazer em relação às Bebidas?
Aqui por casa é normalmente o Miguel que trata das bebidas. Havia vinho verde fresco, vinho tinto, minis, espumante e gin.
E para as bebidas não alcoolicas, para além de coca-cola, fiz limonada, sumo de laranja natural e ice tea caseiro, para além de haver água, claro.



Como organizar e decorar o espaço?
Esta é uma das coisas mais importantes, para além da comida, numa festa.
Claro que depende muito do espaço. Mas há que adaptar e criar zonas distintas para as diferentes coisas, para que as pessoas sejam obrigadas a circular. Se fizer a festa dentro de casa, liberte os móveis e aparadores para coloca sobre eles as bebidas, copos, pratos, talheres, coffee station. E o ideal é ter duas mesas distintas uma das sobremesas, outra dos salgados.

No nosso caso, e como o jardim é espaçoso, tinhamos uma mesa maior onde colocamos as entradas/lanches e outra mesa, que colocamos em outra área do jardim com as sobremesas.
Numa mesa mais pequena colocamos copos, pratos, talheres, guardanapos (não coloco nada disso na mesa onde coloco a comida, porque assim obriga as pessoas a circular e a não ficarem todas à volta da mesa)
Havia ainda outro espaço com a coffee station: máquina de café e capsulas, chávenas, açúcar e colheres, para que cada um fizesse o seu proprio café quando assim o desejasse. 
Noutra zona e noutro local a zona das bebidas alcoolicas e não alcoolicas, com os copos de vinho e de gin e gelo.

Como tinha espaço suficiente, tinha ainda outra zona do jardim, na churrasqueira, onde coloquei a sopa (que aqueci antes de servir) e a carne de porco na panela slowcooker e tudo o que precisava para servir os pãezinhos de pulled pork (maionese, pão, salada e batatas)

Havia portanto várias zonas distintas que obrigavam as pessoas a circular, quer para conviver, quer para se servirem do que necessitassem.
Como é uma festa volante (impensável servir 50 pessoas sem ser volante), havias sofás, cadeiras, e bancos espalhados pelo jardim para as pessoas se sentarem. Nada de cadeiras encostadas às mesas, ou isso acaba com as pessoas invariavelmente com algumas pessoas sentadas à mesa, e a consequente dificuldade daqueles que não têm lugar de se servirem. Não é um jantar sentado, portanto evitem que isso aconteça, porque é desagradável. Se tiverem pessoas mais idosas ou com dificuldades de locomoção pensem num local mais resguardado onde se possam sentar e comer, mas apenas nesses casos.

Optem por decorações muito simples. Toalhas brancas ficam sempre bem. Desta vez optei apenas por ter o bolo de aniversário como peça central na mesa das sobremesas, ladeada por balões grandes com o número do aniversário de cada um deles.
Na mesa das entradas/lanche/salgados, optei por uma decoração zero waste: frascos de vidro de varias tamanhos e feitios que vou sempre guardando lá por casa. Fiz uma composição a meio da mesa e enfeitei com ervas aromáticas variadas do jardim. mas podiam ter sido flores e velas, por exemplo. À volta dos frascos coloquei limões, laranjas e maçãs, que era o que tinha em casa.
As toalhas brancas e louça de servir bonita e cuidada fizeram o resto da decoração.




Orçamento?

No total das compras e das bebidas gastamos um pouco mais de 200 euros. Eu gastei cerca de 170 euros em todos os ingredientes e no pão para servir os mini hamburgueres e as sandes de pulled pork. E gastamos mais uns 50 euros entre o vinho, as minis, o gin e o espumante da adega cooperativa de Souselas, que está sempre presente em nossa casa. 


Acham que esclareci todas as questões importantes relativas a fazer uma festa XXL em casa. Que acham que teha ficado por abordar?

sexta-feira, 19 de julho de 2019

Vamos evitar desperdício Alimentar?


Questionam-me muitas vezes acerca de desperdício alimentar. 
Sou realmente preocupada com esta questão, porque nunca vi grandes desperdícios em minha casa. Sempre vi a minha mãe e a minha avó a “reciclarem” comida para preparar outras refeições. Sempre se guardaram no frigorífico as sobras do almoço ou do jantar para serem comidas nos dias seguintes. Sempre se aproveitou os legumes em excesso pra congelar - depois de partilhar com os amigos e vizinhos. E as compotas e marmelada sempre fizeram parte dos rituais de final de verão.
Não há duvida que aprendemos com aquilo que vemos fazer. Pela forma como somos educados. E é por isso que sempre foi natural para mim essa questão. Que faço o mesmo que sempre vi fazer, que tenho esse cuidado, e que gosto de pesquisar e informar-me mais sobre o que posso fazer para limitar e evitar o meu desperdício.

Eu às vezes tenho a sensação que falo sempre na mesma coisa, mas para evitar o desperdício alimentar é essencial que não se compre a mais. Parece obvio que a primeira “dica” para evitar o desperdício seja mesmo fazermos e usarmos uma lista de compras de modo a não comprarmos em maior quantidade do que a nossa necessidade.

Outra coisa que faço regularmente para tentar evitar o desperdício é umas duas vezes por semana fazer uma limpeza do frigorífico: ver as sobras que lá estão, abrir caixinhas, ver as frutas e legumes na gaveta do frigorífico. E dar também uma volta aos outros “frescos” que não estão no frigorífico, como batatas, cebolas, e restante fruta.
É também um dos motivos pelo qual eu normalmente só tenho 4 refeições da semana planeadas, e há sempre a quinta refeição da semana que está só “alinhavada” com qualquer coisa que esteja semi pronta e congelada! Isso permite-me, caso seja necessário aproveitar as sobras do frigorífico e preparar essa 5ª refeição sem deixar desperdiçar nada. Mesmo para aqueles que não planeiam as refeições semanalmente, e que apenas deixam a descongelar na véspera, o exercício é valido! Se há sobras no frigorífico a refeição do dia seguinte é preparada com essas sobras em vez de descongelar mais alguma coisa  de as sobras continuarem por lá e acabarem depois no lixo como tantas outras vezes.

E o que fazer com as sobras? E quando as sobras são poucas e não dão para todos?
É também mais fácil do que parece: misturar é a palavra de ordem!
Só sobrou um bocadinho de carne de uma dia, e mais outro bocadinho de frango. Provavelmente podemos juntar as duas coisas e ainda mais qualquer coisa e fazer uma refeição. Coisas como “massas limpa frigoríficos”, quiches, empadas, pataniscas de tudo e mais alguma coisa, pastelões com ovos dão para aproveitar e acrescentar quase todas as sobras que tenham em casa. Acrescentem leguminosas, vegetais vários, massa, arroz, quinoa.... e misturem tudo. Façam salada frescas, ou saladas de massa/arroz/ quinoa. Se têm pouca carne juntem um resto de bacon ou ovos cozidos. Se o peixe é pouco para as pataniscas acrescentem uma lata de atum. Se há muitas sobrinhas juntem, misturem tudo e façam um pastelão com as sobras das carnes, dos legumes e do arroz. 
É tão fácil não deixar estragar!

Outra coisa que eu também faço quando não tenho a certeza de que vou utilizar as sobras, e para não desperdiçar, é mesmo congelar. É uma óptima maneira de terem depois uma refeição para a marmita à mão. Ou então vou congelando restinhos de carne, ou de peixe, e depois posso sempre transformar num recheio de crepes, ou numa massa gratinada, ou até em croquetes ou rissois. 

Mas congelar as coisas implica outra preocupação: não acumular e depois não saberem o que congelaram e acabarem a deitar fora... Façam também regularmente uma volta à vossa arca frigorifica e planeiem refeições com o que lá têm. Anotem numa folha para não se esquecerem e não desperdiçarem!

E depois há todas as outras coisas. A fruta madura pode ser transformada em batidos e smothies ou bolws de pequeno almoço. E congelada para fazerem gelados caseiros e os mesmos batidos e smothies. Muita quantidade de fruta pode ser aproveitada para sobremesas  e para fazer compotas.

Os legumes também podem ser congelados. Folhas verdes e legumes verdes branqueados antes de congelar, os restantes como as abóbora, tomate e pimento, podem congelar direto. Mas nunca se esqueçam do que têm congelado e usem essas coisas em vez de comprarem. Não adiante terem a arca congeladora cheia de abóbora para a sopa e todas as semanas comprarem courgetes! Percebem o que quero dizer?

Ainda no capítulo de desperdiçar o mínimo possível. Se tiverem animais como galinha, coelhos... podem dar-lhes  todas as aparas de vegetais e frutas. Outra coisa com que me preocupo é mesmo diminuir o meu desperdício de lixo orgânico. As nossas galinhas dão uma ajuda, mas tentamos comer com casca sempre que possível (daí para mim ser importante comprar biológico), e aproveitar também aparas de vegetais para os meus caldos caseiros. E cascas de fruta para aromatizar águas. Cascas de ovos, de bananas e borras de café para fazer fertilizante natural para as plantas cá de casa (já fiz aqui um post sobre isso!)

Gostava mesmo muito de passar a ter um compostor de lixo orgânico doméstico, mas ainda não convenci o Miguel a darmos esse passo.

Estas são as minhas estratégias principais, e as que uso mais aqui por casa!

Por favor partilhem as vossas também para que todos, juntos, possamos fazer mais!

terça-feira, 2 de julho de 2019

Vamos fazer um Piquenique?


Quem não gosta de piqueniques? Sair de casa de cesta na mão, refeição pronta a comer, e ir até um bonito local, na serra, no campo, na praia, ou até ao jardim mais próximo de casa, estender a manta, a toalha e abrir caixinhas de petiscos deliciosos?
Aqui em casa somos fãs, e assim que o bom tempo chega, e sempre que podemos, aproveitamos para fazer estas refeições ao ar livre. Os miúdos adoram, e é sempre um bom programa em família ou com amigos.
Sabiam que no passado dia 18 de Junho se comemorou o Dia do Piquenique. Apesar dde o tempo não estar espetacular para piqueniques, o melhor é mesmo assim ir aproveitando estes dias grandes! E por isso nada melhor do que vos deixar uma lista de sugestões de snacks, simples e rápidos de preparar para um piquenique em família.
Partilho com vocês as receitas favoritas cá de casa, e que raramente faltam nos nossos piqueniques:

  • Salada de massa: Massa cozida, tomate cereja partido ao meio, bolinhas de mozarella, folhas de rúcula ou espinafres baby, e bacon estaladiço ou sobras de frango ou carne assada

  • Ovos cozidos, palitos de cenoura ou cenouras baby, palitos de pepino e tomates cereja os miúdos adoram.

  • Pasta de abacate: abacate esmagado com flor de sal, sumo de limão e umas folhinhas de coentros. Perfeito para comer com os palitos de cenoura e pepino ou com tostinhas. Outra alternativa é o Hummus (pasta de grão de bico)

  • Quiches e empadas são também boas alternativas para piqueniques. Além de serem óptimas para aproveitar sobras do frigorífico

  • Wraps de frango e Manga: Sobre um wraps colocar folhas de rúcula, fatias de manga, bifinhos de frango grelhado ou desfiado. Enrolar e embrulhar em papel de alumínio ou vegetal e está pronto a levar.

  • Salada de leguminosas: Salada de grão com atum, pimento assado, azeitonas, tomate e cebola e um molho simples de vinagreta é também uma receita que fica sempre bem.

  • Frango de churrasco pode também ser uma opção rápida e deliciosa para um piquenique preparado em pouco tempo. Para acompanhar, além das clássicas batatas fritas, nada melhor do que uma salada de couve, maçã e cenoura, com passas e amêndoas e uma maionese para ligar.

  • Para os mais gourmets, vários queijos e patês, enchidos e tostinhas e pães variados, são também boas e rápidas opções

  • Nunca esquecer os clássicos dos piqueniques como os ovos verdes, os panados, croquetes, bolinhos de bacalhau ou rissois

  • Claro que um piquenique tem de ter fruta! Levar morangos, cerejas, alperces, uvas, ou pêssegos já lavados e prontos a comer. Ou então melão ou melancia para cortar e dividir por todos.
-
  • Não esquecer das bebidas: os clássicos sumos e minis, sem esquecer a água. Mas podem fazer também ice tea caseiro. Ferver 1 litro de água e juntar o chá da vossa preferência, de modo a ficar mais concentrado. Juntar água fria, e polpa de fruta triturada como manga ou pêssego, ou ainda frutos vermelhos. Rodelas de laranja ou limão, hortelã e açúcar a gosto. Levar bem frio na geleira

  • Claro que um piquenique tem de ter sempre um bolo. O clássico bolo de iogurte, ou uns pasteis de natas. E se levarem isto dos piqueniques mesmo a sério, como nós, nada melhor do que um termo, com café quentinho, para servir com o bolo no final da refeição!


E nos vossos piqueniques? O que é que nunca pode faltar?

quarta-feira, 6 de março de 2019

Orçamento Alimentar e as Compras


Quanto gasto por mês em comida é provavelmente uma das  questões que mais me colocam quando falo em compras...
E é muito difícil podermos comparar-nos com alguém. Tem tudo a ver com hábitos de consumo, locais onde fazemos compras, do nosso agregado familiar, e até da zona do país onde moramos.
Apesar de sermos 5 aqui em casa, os miúdos ainda comem relativamente pouco, principalmente para considerar carne/peixe. Nesse campo é quase como se fizesse comida para 3, sendo que nós também temos diminuido a quantidade que comemos. Não deixamos, nem queremos deixar de comer carne ou peixe, mas também não temos necessidade de comer 2 costeletas cada um...Mas comemos muitos vegetais e fruta, muitso produtos biológicos, compro carne certificada quase sempre, e peixe de mar preferencialmente. Recebo um cabaz de produtos hortícolas semanal, e compro quase todos os restantes hortícolas e fruta na frutaria perto de casa. Os restantes frescos também evito as grandes superfícies, que actualmente servem essencialmente para eu comprar produtos de higiene e limpeza, fraldas e algumas mercearias.
Compro carne de vaca num cabaz de carne certificada aqui da região (se quiserem saber mais veja aqui: www.carnemarinhoa.pt) e a restante no talho do supercor que não troco por nada. É em Coimbra o único local onde encontro carne de porco nacional certificada. O peixe também opto sempre pela peixaria do Supercor ou pelo cabaz do Peixinho da Lota (www.peixinhodalota.pt)
As restantes mercearias, e porque compro cada vez mais produtos biológicos, gosto particularmente do Aldi e do Lidl pela excelente relação qualidade preço. Fora isso também compro muitas coisas numa pequena loja biológica e a granel, a “Grão Natural”, que fica quase ao lado da frutaria onde costumo ir, a “Superfrutas”
Nem sempre foi assim, É assim nos últimos tempos, e como tudo, poderá alterar-se a qualquer altura. Mas estes são actualmente os meus locais preferidos para compras, cada um na sua categoria.

Como podem ver, fracciono imenso as minhas compras, e pela minha experiência sei que não é de todo mais barato comprar tudo no mesmo lugar, já para não dizer que a qualidade de alguns produtos faz mesmo muita diferença.

Na nossa lista de compras habitual, passaram a existir coisas que anteriormente não existiam (para quem não chegou a ver, há um post de há uns meses sobre a diferença da minha lista de essenciais de quando iniciei este blogue e a actual!) e há, como já disse um cuidado cada vez maior por comprar “a melhor qualidade que o nosso orçamento permite”. Compro muitas coisas biológicas, cada vez mais, carnes certificadas, peixe de mar, mas equilibro comprando peixes de mar mais baratos, como carapaus, pargo, polvo, cavalas,.... em vez de douradas e robalos, por exemplo. Assim como a opção por uma melhor relação de preço qualidade de produtos biológicos de cadeias como o Aldi ou Lidl, onde, por exemplo, um iogurte natural biológico custa 0,29€ (quase o mesmo que um iogurte natural normal). Vão-se fazendo concessões, porque todos nós temos um orçamento que não podemos ultrapassar...

Como opto por fazer imensas coisas em casa como bolachas, bolos, granolas, sumos naturais, manteigas de frutos secos... são coisas que raramente compro. Também não compro sumos a não ser para as festas, nem cereais de pequeno almoço, e quase nada de comida processada, enlatados (tirando atum, leite de coco e tomate pelado) ou pré pronta, o que nos liberta orçamento para outras escolhas alimentares. Mas há sempre umas tostinhas biológicas que os miúdos e algumas barritas de frutos secos que são práticas para snacks assim como as frutas biológicas de beber....

No fundo tento fazer o melhor que consigo com o orçamento que tenho disponível. Cá em casa gasta-se em alimentação e SÓ em alimentação uma média mensal de cerca de 350 euros. O número não está aqui para se fazerem comparações de muito ou pouco. Tal como disse, cada um faz o melhor com o orçamento que tem disponível, e compra o melhor que consegue com o que tem.
Fazer escolhas melhores nem sempre é fácil e nem sempre é mais “barato”, e deixar de comprar coisas que não são tão boas e que nem fazem grande falta em detrimento de verdadeiros alimentos e melhores escolhas depende apenas da vontade de cada um.


São daqueles que acham que gastam demais em alimentação? Preferem tudo num só local ou dividem as vossas compras por vários locais? Que hábitos de consumo têm mudado ao longo dos tempos?